Ao navegar neste site está a dar o seu acordo às Condições Gerais de Utilização e à Política de Privacidade e Proteção de Dados Pessoais. Leia-as atentamente.

POR FALAR NISSO com Júlio Machado Vaz

  • #quarentena
  • #geração
  • #cuidadores
Geração Sanduiche
Não é raro que esta geração sanduíche tenha a seu cargo mais idosos do que crianças.
TRANSCRIÇÃO

Olá, isto é um livro sobre alguém, não devemos ter medo das palavras, que eu amo muito, Jacques Brel. E a minha primeira ideia foi pegar num poema de Brel e era só escolher, mas depois preferi pegar numa frase dele.

Numa determinada altura, numa conversa sobre como é que nós desempenhamos os nossos papéis na vida ele respondeu assim: - É preciso fazermos, ou tentarmos pelo menos, fazermos tudo com um espírito de amadores, mas como profissionais. É uma frase muito bonita, porque a verdade nua e crua é que nós somos amadores nesta coisa da vida, tanta coisa que na vida nos surge e nós não tínhamos experiência nenhuma, não tínhamos formação, etc... Mas por outros lado a nossa nostalgia é fazer bem. Como um profissional. 

Nós hoje estamos a falar de geração sanduíche que é uma daquelas expressões, porque há expressões que para falar com franqueza não me tocam e que eu emprego, por dever profissional, mas esta, acho que me tenho portado bem, não tenho falado muito calão, vão-me permitir que empregue um verbo que no Porto com frequência nós utilizamos, esta expressão foi muito bem esgalhada. De que é que nós falamos, se eu me esquecer de qualquer coisa eu vou lá ver, de que é que nós falamos, quando falamos de geração sanduíche? Daqueles que estão no meio e estão no meio de que outros? Estão no meio daqueles que estão a crescer e daqueles que estão a chegar ao fim da vida. E que muitas vezes têm de ser cuidados por esta geração, que em geral anda pelos quarenta, cinquentas. Ajudar uns a crescer, ajudar outros a chegarem nas melhores condições possíveis aos fim da vida.

Bom, então já temos, uns a crescerem, outros a envelhecerem com grande probabilidade temos um companheiro ou uma companheira, neste mundo com alguma probabilidade podemos ter um ex-companheiro ou uma ex-companheira, um patrão. E é muito curioso nesta faixa etária uma das perguntas que eu mais ouço aqui é as pessoas dizerem assim: - E no meio disto tudo, onde é que fico eu? E no meio de todas estas tarefas, onde é que há tempo para mim? Pouco. Para além disso, se educar a ganapada já não é propriamente a tarefa mais fácil do mundo, com os mais velhos não é raro que depois ainda precisemos de saberes especializados. Bom, às vezes a nível físico nós somos obrigados até a tarefas semelhantes não é, quando a ganapada ainda é muito pequena, nós temos de os cuidar literalmente, às vezes quando já não há autonomia nos mais velhos, nós também temos de o fazer, mas não é só isso, e as preparações específicas? Os saberes específicos, sei lá para acompanhar diabetes, para acompanhar alzheimer, tudo isso. Lá vem, como é evidente a velha frase que é - O dinheiro não dá felicidade, mas ajuda muito. - nós podemos ter dinheiro para contratar ajuda especializada, mas isso também não é tão simples como pode parecer, a geração sanduíche muitas vezes debate-se com sentimentos de culpa em relação aos mais velhos, porquê? Porque pensa - Não, mas quem deveria fazer isto era eu. - olhem vulgaríssimo, a questão de procurar a colocação de alguém mais velho, um pai ou uma mãe num lar. 

Alguns de vocês sabem, outros podem imaginar, são períodos longos de angústia, porque a pessoa sente isso como uma traição - Agora vou fazer isso? - por outro lado há outras pessoas que não têm nenhuma hipótese em termos económicos de o fazer e pode não ser só o pai ou a mãe, às vezes é a sogra, de vez em quando aliás, com a baixa natalidade não é raro que esta geração sanduíche tenha a seu cargo mais idosos do que crianças. O que nos dá que pensar. E como lhes dizia à um bocado, lidar com as novas formas de família, não é? O meu querido amigo José Gameiro, há uns anos largos escreveu um livro que é - Os meus, os teus e os nossos - pois é. Portanto também é preciso gerir isso. 

Bom e nesse sentido esta geração, muitas vezes anda ao papéis e é importante transmitir a ideia de que a ansiedade, o cansaço que chega à exaustão, às vezes a depressão que começa também a insinuar-se são sinais de alerta para que façamos algo, eu nunca me canso de repetir isto e juro que não é publicidade ao meu consultório, que é assim - façam-no até com o vosso médico de família, mas quando nos sentimos a rebentar pelas costuras, devemos pedir ajuda. Devemos falar com um profissional, descrever como nos estamos a sentir, às vezes ele pode-nos dizer que se justifica medicação, outra vezes pode-nos dizer que pensarmos em voz alta em paralelo chega. Mas é mais fácil dizê-lo que fazê-lo, mas é preciso termos também um sentimento tão prosaico como este - se não cuidarmos de nós, de forma a que estejamos minimamente pacificados e funcionais, nós estamos mal e aqueles que nós tentamos cuidar o melhor possível, também vão pagar as favas disso. Nós vamos ficar mais irritáveis, vamos ficar menos disponíveis, sem nos apercebermos distanciar-nos emocionalmente para nos protegermos e não é isso que nós desejamos. 

Porque, é assim, suponhamos que, não vamos complicar, e portanto suponhamos que estamos a falar de uma sanduíche de fiambre, não estamos a falar de mistas e muitos menos da famigerada Francesinha à moda do Porto, o fiambre somos nós e há duas fatias de pão, uma cresce, a outra envelhece. Se nós não estivermos em boa forma aquilo que vai acontecer é que esta sanduíche, se quiserem até podemos dizer, esta tosta para estarmos mais juntos, pode eventualmente começar a separar-se. Nós, o fiambre, ficamos inseguros a baloiçar e vemos com preocupação uma geração crescer com menos apoio do que nós desejaríamos e outra a preparar-se para nos deixar também com menos apoio do que desejaríamos, portanto, sigam o meu conselho.

Agora vou dizer, duas vezes para a geração sanduíche, cuidem-se em vosso nome e das duas fatias de pão e para vocês todos, até à próxima vez, cuidem-se.

 

Subscreva a nossa newsletter e seja o primeiro a saber do que se fala por aqui.

Para que precisamos dos seus dados?

Os dados pessoais por si acima facultados serão tratados para envio da newsletter que subscreve. Se nos der o seu consentimento, iremos também usar a sua informação para envio de comunicações relativas a produtos e serviços da Fidelidade que poderão ser do seu interesse. Recordamos-lhe que tem o direito de retirar o seu consentimento a qualquer momento. Os seus dados nunca serão utilizados por terceiros ou entidades externas à Fidelidade.



Gostaria de ser informado acerca dos produtos e serviços da Fidelidade?

Conheça aqui a Politica de tratamento e Proteção de dados Pessoais