Ao navegar neste site está a dar o seu acordo às Condições Gerais de Utilização e à Política de Privacidade e Proteção de Dados Pessoais. Leia-as atentamente.

POR FALAR NISSO com Júlio Machado Vaz

  • #gravidez
  • #parentalidade
  • #conjugal
Parentalidade 1
Uma coisa é sermos pais e mães. Outra é sermos um casal.
TRANSCRIÇÃO

Olá! Hoje, comecei logo com o pé esquerdo, com uma mentirazita, não vai ser só hoje. Hoje e para a semana, vamos falar de parentalidade, portanto, nada na manga. A quem o tema não interessar, pode tirar 15 dias de férias. 

Agora, uma precisão: eu disse “parentalidade” e não “paternidade”. Porque é que isto é importante? Quando falamos de parentalidade, estamos a falar dos 2 pais, de sexo diferente, do mesmo sexo, não interessa, mas estamos a falar do casal, lá para a frente veremos que há situações, por exemplo, nas famílias monoparentais em que um dos membros do casal, ou completamente ou em parte, assume o papel dos dois. Mas, se pensarmos um bocadinho, pelo menos com o primeiro filho, poderíamos dizer assim: todos nós, em termos de parentalidade, ou seja, do que é necessário fazer para os nossos pimpolhos crescerem de uma forma adequada, dizia eu que, se calhar, para o primeiro filho, todos nós podemos dizer que eramos virgens, é o primeiro e não raro ouvimos dizer que o segundo e o terceiro sentiram menos holofotes em cima deles, cresceram até de um modo mais descontraído, pobre de mim que sou filho único. E é verdade, mas, se repararem, quando nós chegamos à altura de tomar a decisão, claro que há gravidezes acidentes, ninguém está a dizer o contrário, mas, quando se toma a decisão de ter um filho, nós não somos completamente virgens. 

Desde logo, como diria o Sr. La Palice, nós também fomos filhos de alguém, nós também crescemos, nós também tivemos um ambiente parental. E depois tivemos fantasias sobre se queremos um rapaz ou uma rapariga, como é que gostaríamos que ele fosse, como é que achamos que o vamos educar. Olhe, não é assim tão raro ouvir alguém dizer: “Não, não, não. Eu quero que os meus filhos cresçam de uma forma diversa daquela que eu cresci e cada um terá as suas razões para dizer isso. Mas isso significa que nós chegamos à altura da gravidez, lá chegaremos ao parto também, mas à altura da gravidez com um lastro sobre o que é isso de ser pai e mãe, sobre o que é isso de educar uma criança. Porque é que eu me retive na gravidez? Desde logo, porque os meus colegas que se debruçam sobre essa parte do nosso trajeto de vida, dizem, e com razão, que devia haver mais estudos sobre o desenvolvimento psicológico dos homens durante a gravidez. É natural que na gravidez estejamos sobretudo centrados na mulher, não é? Qual é a barriga que cresce? Em que útero está o pimpolho? E, portanto, é importante verificar, ao longo dessa gravidez, o que vai acontecendo em termos de fantasias, em termos da relação do casal. E permita-me que faça aqui um parenteses muito importante: uma coisa é a parentalidade, outra coisa é a conjugalidade – conjugalidade com papeis assinados ou sem papéis assinados, se quiseram assim. Uma coisa é sermos pais e mães, outra coisa é sermos um casal e vamos ver que articular os dois aspetos nem sempre é um paraíso. E depois chega a uma altura em que Sua Majestade O bebé, como dizia Freud, faz a sua aparição. 

E dá que pensar, quando vários estudos dão resultados próximos e dizem que 20% dos casais se separam nos primeiros 12 meses após o parto. 20% é muita gente, em cada 5 casais, 1 casal. Será este período um período particularmente stressante? Alguns de vocês dirão: “O quê? Depois de ter um filho?” Bom, as pestinhas são um fascínio, as pestinhas são a luz dos nossos olhos, as pestinhas dão uma trabalheira desgraçada e ocupam muito tempo, o tempo dos relógios e o tempo psicológico, e, portanto, nestes tempos iniciais pode haver, a nível da conjugalidade, como vos dizia, portanto, a nível do casal, muitos problemas, causados pelo cansaço, por noites mal dormidas. Em termos sociológicos, por haver, em geral na mulher, alguém que sente que o outro não partilha as tarefas do mesmo modo que era esperado. Do lado do homem, ciumeiras fortíssimas porque se acha, de uma forma consciente ou inconsciente, que a mãe está completamente dobrada amorosamente sobre a criança e só falta pormo-nos em bicos de pés e levantar o dedo e dizer: “E eu? E eu? O tempo que tinha para mim antes, agora não é mesmo”. 

Isto é uma situação geradora de stress e lá estava o que eu vos dizia, a parentalidade e a conjugalidade em rota de colisão nalguns casais. São duas pessoas com a criança? São. Só? Em geral, não, porque as nossas tribos, muitas vezes, também ou se metem ao barulho, e toda a gente tem opiniões sobre como deve ser o cuidar da criança e mais tarde o educar, ou então estão afastadas, não podem dar apoio nenhum, e aqui temos um dos problemas relacionados com a parentalidade, que é casais jovens, falaremos, se tivermos tempo, de gravidezes mais tardias, casais jovens que nos dizem: “Já não me lembro de ir ao cinema. Não jantamos fora os dois sozinhos seguramente há 1 ano/1 ano e meio”. E isto pode prejudicar o casal porque tudo gira à volta do bebé. E, quando vamos ao dicionário, esta questão da parentalidade está muito vocacionada e bem, é a visão clássica, para os primeiros tempos, para a infância, se quiserem e para tudo aquilo que é a educação dos pimpolhos. 

Há, se quiserem, aspetos fundamentais. Vejam o problema da disciplina: porque é que haveríamos de pensar que os dois pais estão sempre de acordo em relação à disciplina, em relação ao regime alimentar, etc. O meu querido amigo, o professor Octávio Cunha costuma dizer aos pais, quando eles aparecem com os recém-nascidos, costuma-lhes dizer assim. “E agora chegou a vossa casa o maior manipulador da história”. As crianças têm muito pouco poder em relação a nós, o que têm, utilizam-no e um dos poderes que elas têm é que pressentem perfeitamente quando nós os adultos estamos em desacordo. O que é que eles fazem? Atacam aí no meio, dividem-nos e escolhem qual é o parceiro preferencial. O que significa que, quando nós não estamos de acordo quanto ao colégio para onde ele vai, quanto às notas que tirou, quanto aos amigos que tem, etc., isso é para ser discutido entre nós, e depois é preciso uma frente unida em relação à nossa garotada. 

Pronto, ficamos por aqui, mas vamos continuar a falar do mesmo tema, da parentalidade.

 

Subscreva a nossa newsletter e seja o primeiro a saber do que se fala por aqui.

Para que precisamos dos seus dados?

Os dados pessoais por si acima facultados serão tratados para envio da newsletter que subscreve. Se nos der o seu consentimento, iremos também usar a sua informação para envio de comunicações relativas a produtos e serviços da Fidelidade que poderão ser do seu interesse. Recordamos-lhe que tem o direito de retirar o seu consentimento a qualquer momento. Os seus dados nunca serão utilizados por terceiros ou entidades externas à Fidelidade.



Gostaria de ser informado acerca dos produtos e serviços da Fidelidade?

Conheça aqui a Politica de tratamento e Proteção de dados Pessoais