Ao navegar neste site está a dar o seu acordo às Condições Gerais de Utilização e à Política de Privacidade e Proteção de Dados Pessoais. Leia-as atentamente.

POR FALAR NISSO com Júlio Machado Vaz

  • #poluição
  • #ruído
Poluição/Ruído 2
Atualmente, na nossa vida, não há nada que não venha com poluição ambiental.
TRANSCRIÇÃO

Olá. Eu estive a pensar. Achei que fazia muito pouco sentido falarmos de poluição sonora e não dizer nada sobre poluição ambiental. É claro - e com razão - alguns de vocês dirão (riso)... Agora lembrei-me, "Até tu, Brutus?"... Pronto, mas "Até tu, Machado Vaz?", mas nós praticamente não lemos nem vemos nada que não venha com poluição ambiental. E admiram-se? Nós estamos numa situação grave e muitos artigos, muitas notícias nas televisões, nas rádios, etc., é indiscutível que existem. 

Em contrapartida, medidas tomadas, tenho mais dúvidas. Vejam, assistimos a quadros dantescos na Amazónia, com nuvens de fumo em S. Paulo. Eu, como tantos outros, assisti a algo por essa Europa fora que, para mim, é algo de novo. Até aqui há 2 ou 3 anos, nas grandes metrópoles, em geral, quem é que andava com aquelas máscaras - que às vezes tem uma motivação muito nobre que é, sei lá, alguém que está gripado não quer ser contagioso para outras pessoas - mas nós tínhamos muito o hábito de ver quem? Pessoas de origem asiática que vinha de cidades extremamente poluídas e que estão habituadas a usar essas máscaras. 

Bom, este ano, por essa Europa velha, eu fui encontrando europeus que já aderiram... eu ia dizer a esse tipo de moda, mas não é bem moda, é a essa necessidade. É evidente que podemos, também, ficar com as questões de como é que estão os nossos mares, não é? Quer dizer, quando nos dizem que vogam por aí ilhas de plástico de dimensões verdadeiramente inacreditáveis, quando nos anunciam que 1/3 - se bem me lembro - do peixe que nós comemos já tem determinadas partículas e plásticos, etc., temos que concordar que a situação não é encorajadora. Mas, talvez pelos holofotes estão tão centrados nesse tipo de fenómeno, vou repetir, e bem, e bem, nós estamos numa situação que se aproxima rapidamente do não retorno... E vocês dirão "Sim, mas a poluição não nos mata todos ao mesmo tempo, ou não nos obriga a deslocar-nos todos ao mesmo tempo, ou grande parte de nós, como por exemplo a subida do nível dos oceanos". É verdade, mas a poluição de uma forma lenta, mas segura, nomeadamente, olha, a nível das doenças respiratórias, faz o seu trabalho. Eu diria, faz o seu trabalho letal. 

Mas porque é que eu hoje estou com um papel aqui? Não vou fazer nenhum anúncio ao País que tenha que ler. A razão é mais prosaica e mais triste. É que hoje em dia, muitos números já têm tendência a baralhar-se na minha cabeça e eu não quero cometer a indelicadeza e o erro de vos passar informação errada. Mas nós estamos habituados a associar poluição... olha, um pouco a isto, a espaços ao ar livre e acabamos por desleixar um tipo de poluição que é perigosíssima e que mata ou, pelo menos, transforma vidas em verdadeiros calvários: poluição caseira. E dir-me-ão "Homessa, mas porquê? Não consegue vedar bem as janelas? Não consegue, eventualmente, abrigar o seu lar daquilo que vem de fora?", mas é que eu não estou a falar daquilo que vem de fora. A maneira como nós cozinhamos e a maneira como nos aquecemos são dois fatores importantíssimos para eventual poluição. Por exemplo, se queimarmos querosene, por exemplo, ao queimar a madeira normalíssima. Eu disse-lhes, tenho aqui um papel para vos dar números e alguns deles são terríficos. Vejam isto: cerca de metade das mortes por pneumonia entre as crianças com menos de 5 anos de idade, são causadas sabem porquê? Por partículas de algo que todos nós já encontramos, de fuligem. Inalada, por poluição caseira. E grande parte de vocês está a dizer "Em minha casa, não". Claro. 

Para variar, estamos a falar de quê? Estamos a falar sobretudo das pessoas mais pobres, vivendo em países de baixos ou médios rendimentos e - quem é que está mais tempo em casa? - das mulheres e das crianças. Isto significa que cerca de 3 biliões... Quando se fala de tantos zeros, isto quase que perde o significado, mas cerca de 3 biliões de nós, ainda vive em condições desadequadas a este nível. Ora nós somos cerca de 7 biliões e meio, isto é quase metade. E em termos das patologias, temos de tudo, com as respiratórias à frente - as pneumonias, as doenças obstrutivas - mas depois também as cardiovasculares, etc. Bom, falámos de crianças, continuemos a falar de crianças. 3.8 milhões morrem prematuramente, por ano. Crianças, sobretudo, e jovens. 

Sem medidas, tudo estará igual - igual - em 2030, num mundo em que 1 bilião de pessoas continua a não ter eletricidade. Eu não gosto muito de números, mas também não podemos evitá-los. Isto representa um fosso brutal e, portanto, quando nós dizemos que a poluição é um problema global, podemos dizê-lo - e se calhar temos a obrigação de o repetir - e temos o direito de dizer que estamos todos metidos no mesmo barco, mas não nos iludamos: mesmo que esse barco seja um novo Titanic, alguns de nós vão-se afundar na primeira classe e outros vão-se afundar no porão e com menos hipóteses de chegar aos barcos salva-vidas. E portanto, também nesta área, se calhar não era mau pesarmos assim "Habitamos todos o mesmo planeta, temos todos problemas semelhantes, mas não estamos todos à mercê desses problemas da mesma forma". 

E, por isso, tudo aquilo que sirva para diminuir este fosso entre classes sociais e económicas, contribui em termos absolutos para uma melhoria da saúde global e contribui em termos éticos para que possamos olhar o próximo - se quiserem utilizar a nomenclatura que foi a nossa na herança judaico-cristã - possamos olhar o próximo com uma consciência mais tranquila. Tranquilo, ou não, é a altura de eu me despedir e me ir embora. Até à próxima.

 

Subscreva a nossa newsletter e seja o primeiro a saber do que se fala por aqui.

Para que precisamos dos seus dados?

Os dados pessoais por si acima facultados serão tratados para envio da newsletter que subscreve. Se nos der o seu consentimento, iremos também usar a sua informação para envio de comunicações relativas a produtos e serviços da Fidelidade que poderão ser do seu interesse. Recordamos-lhe que tem o direito de retirar o seu consentimento a qualquer momento. Os seus dados nunca serão utilizados por terceiros ou entidades externas à Fidelidade.



Gostaria de ser informado acerca dos produtos e serviços da Fidelidade?

Conheça aqui a Politica de tratamento e Proteção de dados Pessoais